Os segredos das principais Ilhas gregas e suas particularidades

Com milhares de ilhas para escolher, a Grécia é daqueles destinos perfeitos em paisagens paradisíacas e mergulhadas em história. Prepare a sua roupa de praia pois chegou a hora de embarcar em uma viagem nada menos que inesquecível para as ilhas gregas!

Cada ilha grega tem um segredo próprio (são gostos muito pessoais), então não faz mal se você está em busca de cenários estonteantes ou uma viagem no tempo – essa lista possui alguns dos lugares mais perfeitos para você conhecer um pouco mais desses lugares mágicos.

É o destino dos sonhos de muita gente. Embora tenha uma história riquíssima, o que atrai a maior parte dessas pessoas são as suas ilhas! Estima-se que a Grécia tenha aproximadamente 6.000 ilhas espalhadas entre o Mar Egeu e o Mar Jônico e dessas, “apenas” 227 são habitadas, o que  dificulta a escolha da ilha que os viajantes querem ir. 

Por isso preparamos esse post no nosso blog para tentar ajudar vocês nessa difícil missão: Ilhas Gregas: qual escolher?

1º passo – Entender a geografia do País 

Entendendo um pouco da geografia local você com certeza terá uma facilidade maior de escolher e traçar cada lugar que pretende explorar. 

No mapa da Grécia (foto), a Central Greece é onde fica Atenas. Ali será, muito provavelmente, o seu ponto de chegada para partir para as ilhas gregas.

Do lado esquerdo da Central Greece estão as Ionian Islands, mais conhecida como Ilhas Jônicas: Corfu, Kefalônia, Lefkada, Maganissi, Paxos e Zakynthos, são algumas das ilhas Jônicas.

Abaixo da Central Greece, um pouquinho à direita,  está as Cyclades Islands, que chamamos de Ilhas Cíclades: Amorgos, Andros, Antiparos, Ios, Kea, Milos, Mykonos, Naxos, Paros, Santorini, Serifos, Siros e Tynos, são algumas das ilhas cíclades.

Abaixo das Ilhas Cíclades tem Crete Island, ou Ilha de Creta, como conhecemos.

Mas além dessas, que são as principais, tem também as Esporades, as ilhas do Dodecaneso, as ilhas de Argosarónico e as  ilhas nordeste do Mar Egeu, que são menos famosas para os turistas, mas por algumas serem de fácil acesso, é um destino certo para os atenienses.

Agora que você já sabe a disposição das ilhas no mapa, entende como é mais complicado você ir de Mykonos (Ilhas Cíclades) pra Kefalônia (Ilhas Jônicas)? Tem um mar enorme entre os dois e Peloponeso (península no sul da Grécia)  no caminho. Não é um trajeto fácil e provavelmente qualquer opção de ferry ou vôo vai fazer uma parada em Atenas. A viagem fica longa e cansativa, e deixa de valer a pena. Então a melhor forma é escolher ilhas da mesma região.

Conheça agora alguns detalhes importantes de algumas das ilhas mais visitadas durante todo o ano:

Ilha de Creta

É a maior ilha da Grécia, e a quinta maior do Mar Mediterrâneo.

Aqui, o visitante pode admirar vestígios de civilizações, conhecer praias lindas e paisagens montanhosas impressionantes. Creta é dividida em quatro prefeituras:  Chania, Rethymno, Íraklion e Agios Nikolaos.

A ilha é a mais próxima da Turquia, por isso a diversidade de cultura e histórias faz toda diferença para visitar esta ilha. Para uma primeira visita, indicamos a Ilha como uma das principais para conhecer um pouco mais a fundo a história e cultura.

Fique de olho nas placas marrons pela estrada que indicam os mosteiros e ruínas históricos que valem desviar o caminho um pouquinho. O museu Arqueológico de Heraklion abriga uma coleção de artefatos da civilização Minoica, com destaque para os afrescos de 1.800 a.C, como o famoso Afresco do Touro do Palácio de Knossos.

Não dá para ir a Creta sem se entregar à dieta local, famosa por ser saudável e balanceada. Produtos da estação, peixe fresco, azeitonas, pão caseiro e queijos locais compõem a maioria dos pratos.

O jantar é servido tarde em Creta, em torno de 22h, então sirva-se antes de um refrescante Raki (drinque popular da Turquia à base de anis) e assista ao pôr do sol do alto de um terraço. Aqueles com paladar mais refinado podem deliciar-se ainda com os caracóis embebidos no azeite de oliva, suco de limão e tomilho – a epítome da “slow food” da ilha.

Complete seu dia sentindo-se o rei do Mediterrâneo, relaxando à beira da piscina de um resort 5 estrelas em Elounda, ou caia na balada na popular Malia.

Mykonos

Ilha Cíclade, Mykonos é conhecida mundialmente como a ilha grega mais animada!

O que não falta é lugar para se divertir. Mas também tem praias lindas e um centrinho muito aconchegante, com casinhas brancas e azuis.

Ponto negativo: preço. Mykonos é uma ilha muito cara. Se tornou muito famosa em todo o mundo por ser uma ilha onde muitos artistas escolhem para passar a lua de mel, férias e também muitas revistas escolhem como cenário fotográfico para edições especiais, trazendo a ilha para mídia como um cenário espetacular.

Passeios de quadriciclos marcam uma das aventurais mais legais da região, porém não é apenas em Mykonos que esta atividade pode ser feita. Visitar várias praias encantadoras e passear pelo centro. 

A noite em Mykonos é legal mas muito cara para quem está com o orçamento reduzido.

Um ponto importante que se precisa prestar muita atenção é que por se tratar de uma ilha bastante procurada, alguns hotéis acabam tendo a desvantagem de ficar próximos a baladas e pontos turísticos de muita procura, ou seja, deixando o sossego de lado e trazendo barulho a todo tempo. 

No “Town” tem vários lugares para sair a noite, e segundo porque acho melhor ficar onde tem mais infraestrutura e também vale muito a pena alugar um carro e poder rodar a ilha com mais facilidade, conhecendo todas as praias. 

Quíos, Ilhas Egeias do Norte

Quíos é um dos segredos mágicos que os gregos pretendem manter assim. Perca-se explorando o vilarejo medieval de Mesta, construído como um labirinto fortificado, onde pode-se passear por entre túneis e dar de cara com terraços e propriedades privativas.

No alto da ilha, a cidade–fantasma de Anatavos esconde uma história trágica. Abandonada depois do Massacre de Quíos de 1822 (o assassinato de milhares de gregos por tropas otomanas durante a Guerra da Independência da Grécia), a cidade é um monumento nacional mantido por alguns poucos moradores que vendem produtos locais e mezedes (pratinhos de petiscos).

Quíos também é lar exclusivo da mástique, a única arvore que produz a goma mástique aromática. A região sul, Mastichochoria (que significa vilas de mástique), é um labirinto de sete vilarejos com ruas estreitas e fachadas intricadas.

Elementos decorativos em preto e branco compõem o visual da cidade. Mesmo a praia Mavra Volia parece imitar o esquema de cores, com as rochas vulcânicas negras contrastando com o azul profundo do mar e as pedras amarelas.

Santorini 

É o destino perfeito para ser feliz: casinhas brancas com cúpulas azuis, praias exóticas, história e aventura num mesmo lugar, deliciosa gastronomia típica.

Impossível viajar para a Grécia e não incluir Santorini no roteiro. Não interessa a ginástica que tenha de ser feito, esta ilha famosa pelo pôr do sol mais poético do universo merece a sua atenção!

Santorini possui cerca de 73 quilômetros de extensão. É perfeitamente possível percorrer ponta a ponta da ilha num passeio de um dia.

A zona da ilha mais bonita e onde estão aquelas igrejinhas de cúpulas azuis que são um up a mais no cenário do pôr do sol mais poético do universo, chama-se Oia. Pronuncia-se “Ia”.

O pôr do sol em Oia começa a ser prestigiado pelos turistas a partir das 18h e vai até às 20:45h quando o sol desaparece no mar. Em Oia há vários miradouros, praças, restaurantes e bares com vistas incríveis para apreciar o pôr do sol. Escolha um lugar estratégico e chegue cedo, de preferência lá pelas 17h – 17:30h. A capital da ilha, considerada a maior cidade é Fira. Um centro turístico e um autêntico labirinto de ruazinhas pintadas de branco cheias de lojas de joias e artesanatos, bares e restaurantes. É a zona mais movimentada da ilha!

É em Fira que poderá avistar toda a caldeira: no lado esquerdo Perissa, no centro o vulcão e no lado direito Oia. Caldeira é como os gregos chamam a ilha, pois estando em Fira poderá visualizar o C que Santorini possui como forma geométrica.

Bem no alto de Fira poderá visitar a Catedral Metropolitana Ortodoxa. Só tem um porém: a catedral não permite visita de quem estiver com roupa curta. Numa temperatura de 40 graus… não usar roupas curtas é praticamente impossível, neh?

A melhor época para viajar para Santorini é no mês de Junho. Embora a temporada ainda seja baixa, a temperatura é altíssima: 40 C.

As três praias imperdíveis de Santorini são: Perissa Beach, Red Beach e Whithe Beach. Mas não se limite em visitar somente essas. Explore o maior número de praias que puder!

A maioria das praias em Santorini são isoladas. Portanto… leve água e alguns petiscos.

Explore os lugares menos famosos da ilha, como por exemplo, Kamari. Esta é uma zona mais tranquila para quem deseja relaxar. Em Kamari há diversos restaurantes, cafés e bares de frente para a praia, que é tão bonita quanta as outras.

Um dos cantinhos mais mágicos e sossegados da ilha é a baía de Amoudi, um pequeno porto à beira de um mar absurdamente cristalino onde há alguns restaurantes que servem comida típica. É um cantinho para conhecer, nem que seja de passagem.

Impossível sair de Santorini sem provar o tradicional churrasquinho grego. Esqueça a carne no espeto assando na brasa. Na Grécia o churrasquinho é nada mais do que uma carne assada num espeto na vertical, que é servida com legumes, batata frita e molho de iogurte. 

Outra atração imperdível é mergulhar na Hot Springs, um lugar próximo de duas ilhotas inabitadas chamadas Palea e Nea Kameni, onde as águas chegam a temperatura de 33 graus. Essa temperatura influencia nos diferentes tons da água, aqui há uma mistura de águas em tons claros, meio esverdeada, contrastando com o azul marinho das águas mais frias.

 

Fonte: blog – aqueles que viajam 

2018-08-06T11:21:02+00:00Categories: blog|0 Comments
WhatsApp Converse pelo WhatsApp